Passar para o Conteúdo Principal Top
  • Facebook
  • Youtube
  • Instagram
  • RSS feed

_MG_1253-2500x300-min

Assinado Protocolo para funcionamento da 2.ª Equipa de Intervenção Permanente dos Bombeiros Voluntários de Provesende

Assinado Protocolo para funcionamento da 2.ª Equipa de Intervenção Permanente dos Bombeiros Volun...
20210808_180245
20210808_180355
20210808_181711
img_20210808_wa0010
09 Agosto 2021

Foi assinado ontem, 8 de agosto, o Protocolo que permitirá a criação e regulamentação das condições de contratação e funcionamento da segunda Equipa de Intervenção Permanente - EIP dos Bombeiros Voluntários de Provesende.
A cerimónia aconteceu no Quartel dos Bombeiros e contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Sabrosa, Domingos Carvas, do Presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Provesende, Manuel Peixoto dos Santos, do restante Executivo municipal, do comando e de vários elementos daquele corpo de bombeiros.
Na ocasião o Presidente da Câmara Municipal destacou a importância da existência destas equipas, “com operacionais preparados e capazes de atuar em diversas situações, destacando-se as questões relacionadas com as áreas da saúde e da proteção civil”. Destacou ainda o facto dos Bombeiros Voluntários de Provesende passarem a dispor de duas EIP, sendo isso “motivo de orgulho e reconhecimento pelo papel mobilizador que, em circunstâncias difíceis, se tem vindo a verificar na Corporação.”
Por outro lado, o Presidente da Direção da AHBVP agradeceu todo o empenho do executivo municipal para a concretização com sucesso deste processo, salientando o apoio que a Associação sempre teve por parte da Câmara Municipal, fazendo votos para que a equipa esteja o mais breve possível operacional no terreno.
As EIP são compostas por cinco elementos e visam assegurar, em permanência, o socorro às populações, designadamente no combate a incêndios; socorro às populações em caso de incêndios, inundações, desabamentos, abalroamentos e em todos os acidentes ou catástrofes; socorro a náufragos; socorro complementar, em segunda intervenção, desencarceramento ou apoio a sinistrados no âmbito da urgência pré-hospitalar, não podendo substituir-se aos acordos com a autoridade nacional de emergência médica; minimização de riscos em situações de previsão ou ocorrência de acidente grave; colaboração em outras atividades de proteção civil, no âmbito do exercício das funções específicas que são cometidas aos corpos de bombeiros.