Passar para o Conteúdo Principal Top
  • Facebook
  • Youtube
  • Instagram
  • RSS feed

_MG_1253-2500x300-min

Quinta dos Canavarros de Barros

Embora de planta bastante baixa, esta casa dos Canavarros de Barros, representa um tipo de arquitectura que caracterizou os melhores solares de fins de século XVII, princípio do XVIII. A abertura da rua que liga com a câmara deu origem a que fosse apeado o muro que a cercava, diminuindo o seu esplendor antigo. Mas mesmo assim, a sua traça mantém-se inconfundível, e o seu recheio artístico continua a ser dos mais preciosos da região.

Os Canavarros foram uma família extraordinariamente próspera, passando o período de inverno em Londres, em íntima familiaridade com os monarcas ingleses e toda a nobreza da Corte Britânica. Ao manter desde longa data estreitas relações comerciais com a nossa secular aliada, a família Canavarro, criou uma opulência tal que lhe permitiu, entre tantos outros rasgos, oferecer ao Município de Sabrosa a casa onde ainda hoje se encontram instaladas todas as repartições da Câmara e do Tribunal. Razão pela qual a pedra de armas de uma e outra são rigorosamente iguais.

E já que falamos na pedra de armas da família, tanto a que se encontra na Câmara como a do edifício defronte, marcam a ligação dos Teixeira Lobos de Barros, de Sabrosa, com os Canavarros, pelo casamento de Gonçalo Lobo Pereira Caldas de Barros, 3º Barão de Provesende, com D. Virginia do Carmo caupers de Azevedo Canavarro. E representa um escudo esquartelado com as armas dos lobos, Correias, Teixeiras e Taveiras.

O primeiro Canavarro, de que o autor do livro “Fidalgos e Morgados de Vila Real” nos dá noticia, foi Filipe de Sousa de Carvalho Canavarro, fidalgo da Casa Real, senhor da Casa de Sabrosa, comendador de Duas Pontes na Ordem de São Tiago, tenente-general dos reais exércitos, governador das armas do Porto, filho de Cipriano de Sousa Machado de Carvalho Canavarro, capitão de cavalos nos Dragões de Chaves, e de sua mulher, D. Ana José de Vasconcelos Pereira de Azevedo. Casou com D. Inácia Bernarda Caupers Sande e Vasconcelos, açafata da Rainha D. Maria I, de cujo matrimónio houve, entre outros, Cipriano de Sousa Canavarro; também senhor da Casa do Largo da Batalha, no Porto, e que casou com sua prima, D. Maria Teresa Caupers Canavarro de Matos e Góis.
Por aqui se vê a opulência dos Canavarros, a que atrás nos. Ainda hoje a casa que tiveram no Porto, na Praça da Batalha, significa um imóvel cuja grandeza de linhas honra a cidade.

A ligação com Provesende, ao tempo vila e sede de concelho, deu-se pelo casamento de D. Virginia do Carmo caupers de Azevedo Canavarro, herdeira da Casa de Sabrosa, com o 3º barão de Provesende, Gonçalo Lobo Pereira Caldas de Barros, tenente-general dos reais exércitos, Governador de Armas do Porto e condecorado com todas as medalhas da Guerra Peninsular.

Deste casamento houve uma filha, que deu origem à ligação dos Canavarros com outra família também importante em Sabrosa, a dos Pizarros. Foi D. Maria Luisa Canavarro Caldas de Barros, que casou com Sebastião Maria da Nóbrega Pinto Pizarro, coronel de Infantaria, comendador da Ordem de Aviz, filho de Rodrigo da Nóbrega Pinto Pizarro, e de sua mulher, D. Maria das Dores da Gama Lobo Pizarro Teixeira Lobo.

Sucedeu na representação da família, Gonçalo Lobo Pereira Caldas de Barros, coronel de Infantaria e antigo governador civil de Ponta Delgada, o qual casou com sua prima, D. Matilde Luísa Álvares Cabral da Silveira, filha de João Urbano da Silveira.

Foi filho destes, Gonçalo da Silveira Caldas de Barros, que casou com D. Maria Paula de Medeiros Rodrigues, filha de José Ernesto Rodrigues e de sua mulher, D. Evelina Medeiros Rodrigues, da ilha de São Miguel, Açores. A única filha, D. Maria Elena, nasceu a 14 de Outubro de 1943.

Mas, como aconteceu em todas as casas nobres, com a extinção dos morgadios, a casa de Sabrosa tocou em partilhas a D. Maria Teresa Canavarro Caldas de Barros, filha de D. Virginia do Carmo Caupers de Azevedo Canavarro e de seu marido, Gonçalo Lobo Pereira Caldas de Barros, atrás referidos. Aquela foi casada com João dos Santos Pereira Ribeiro, e de sua mulher, D. Dulce Leopoldina dos Santos.

Foi senhora da casa é D. Maria Dulce Canavarro Barros Pereira Caldas Ribeiro, nascida em 1930, é filha do anterior casal, tendo casado com Álvaro Queirós de Morais, engenheiro Agrónomo, e com dois filhos: Gonçalo e Maria Teresa Barros, actual senhora da Casa.

Sabrosa